A CASADINHA E O POLICIAL.

Boa noite!

Me chamo Mariana, moro em Minas Gerais, sou casada, tenho 25 anos, ruiva, 1, 63 de altura, 60 quilos, cabelo liso na altura dos ombros, olhos pretos, uma boa pequena e bem desenhada, seios e bumbum de médios para grandes, algumas tatuagens pelo corpo, argolinha no nariz e para finalizar trabalho em uma empresa de contas médicas. Como disse no início do texto eu sou casada, Pedro é o nome do meu esposo.

Meu marido é um homem muito bonito sabe, ele tem 33 anos, branco, 1, 72 de altura, careca, barba feita, 74 quilos, não tem tatuagem e nada do tipo, todo certinho e engomado, pois como ele é advogado de uma multinacional, o mesmo optou por ser discreto e conservador. Já estamos casados há 9 anos, e creio que toda essa rotina tornou nosso casamento meio monótono, ficando sempre ali naquelas coisas de casal sabe, cinema, casa da sogra, Netflix e de vez em quando um barzinho com os amigos. Em relação ao sexo no início era maravilhoso, todos os dias transavámos, mesmo tudo sendo sem muitos fetiches ou algo do tipo . O problema é que de uns anos para cá eu mudei minha mente, vindo a ter vontades de experimentar e realizar os meus desejos mais ocultos, porém sem sucesso. Sempre que eu tentava apimentar nossa relação com alguns brinquedinhos ele recuava, dizendo que aquilo não era para mim. Creio que ele imaginava que eu fosse uma santa e não tinha desejos, porém a cada tentativa frustrada, mais eu ficava puta da vida. O tempo foi passando e a situação piorando, ficando cada vez mais sem carinho por parte dele, fazendo com que eu começasse a desejar outros homens na rua, mesmo eu não tendo coragem de trai-lo. Como sou adepta de ir pra academia, sempre após o expediente eu treinava para dar uma relaxada, e foi assim, num simples treino que eu conheci uma pessoa que mexeu muito com meus pensamentos. Pois bem! O nome dele é Ronaldo meninas.

Ronaldo é um rapaz muito charmoso, com sua barba grande, e cara de mau, todo tatuado, olhos penetrantes, tipo aquele que hipnotiza qualquer mulher, alto, forte, olhos cor de mel, e uma boca convidativa. No primeiro dia em que nos falamos, lembro que eu estava me alongando antes de começar a correr na esteira, quando percebo ele se aproximando para se alongar também. Nós já tínhamos trocado alguns olhares, mas nada além disso, então foi tipo meio que uma surpresa quando ele veio até mim e se apresentou dizendo;

Boa noite! Prazer Ronaldo!

Oi! Prazer Mariana!

Você é nova aqui? Perguntou ele.

Na verdade eu treinava de manhã, ai a preguiça bateu, então resolvi vir depois do serviço agora.

Ah legal! Trabalha aqui perto?

Sim! Uns 15 minutos de carro.

E você? Novo aqui? Perguntei à ele, enquanto nos alongávamos.

Sou novo! Tô treinando aqui à 2 meses. Saio direto da delegacia e venho treinar

Ah! Você é policial?

Sou Sim. Sou da civil.

Nossa! O homem já era lindo, e para melhorar policial. Confesso que por alguns segundos eu viajei, imaginando um dos meus fetiches sendo realizado. Logo após me alongar, me despedi e fui correr na esteira, trocando alguns olhares discretos com ele. A cada dia que nos encontrávamos na academia, mas nossos olhares se cruzavam, tornando o flerte cada vez mais intenso. Apesar de eu ser casada eu estava gostando daquilo, sorrindo e fazendo charme sempre que eu o via, fosse dentro da academia ou no estacionamento. Ele também sempre correspondia meus charmes com um sorriso e uma piscada, tornando tudo mais excitante, como se fosse um jogo de sedução de ambas as partes, e claro não demorou para que ele pedisse meu número do celular na saída da academia, que obviamente passei de imediato.

Boa noite! Tem algum problema se você me passar teu celular? Perguntou ele.

Claro que não! Anota aí. 94809…. Respondi à ele.

Ele sabia que eu era casada, não tinha como ele não saber, minha aliança é enorme. Durante o trajeto para minha casa eu fiquei ansiosa, esperando subir uma mensagem sua na tela do meu celular. A sensação de perigo era boa demais, mesmo sabendo que meu marido jamais desconfiara de mim, pois como falei antes, ele pensa que sou uma santa. Chegando em casa fui para o banho e deixei o celular carregando em cima da cama, entrando logo em seguida no banho. Com os olhos fechados sentia a água cair no meu corpo, em ensaboando lentamente. Num extinto de carência me toquei pensando nele, era um fogo incontrolável. Fazia tempo que eu não sentia um desejo tão forte assim, meu corpo arrepiado denunciava o tesão que eu estava sentindo, e meus dedos delicadamente tocavam meu clitóris de forma surreal, sentindo minha buceta melada implorando por uma boa foda. Tentando me controlar, desliguei o chuveiro e me sequei, seguindo para o quarto ainda nua, escolhendo no guarda roupa um pijama sexy rosa que eu não usava fazia algum tempo. Já arrumada, peguei o celular em cima da cama e visualizei a mensagem do Ronaldo que dizia assim;

Boa noite! Adiciona meu número ai.

Tá adicionado; respondi.

Enquanto meu marido não chegava do serviço, fiquei batendo papo com Ronaldo por horas, conversando sobre nossas vidas e matando algumas curiosidades de ambas as partes. O papo estava tão bom que não vi a hora passar, só notei quando ouvir o meu marido chegando em casa.

Ei! Meu marido chegou! Amanhã na academia nos falamos, beijos .

Beijos! Até amanhã, respondeu ele.

Um pouco excitada me deitei na cama e esperei meu marido entrar no quarto, dando -lhe um beijo quente e demorado. Meu tesão estava a flor da pele, eu necessitava de sexo, e como fazia uns 7 dias sem nada, olhei para meu marido ainda e perguntei.

Gostou do meu pijama? Coloquei ele só para você.

Desculpas amor, estou cansado! Respondeu ele.

Nossa! Ouvir aquilo me deixou com muita raiva, e a partir daquele dia resolvi não mais ficar no pé dele para transar, e jurei pra eu mesma que daria um jeito sozinha . Com a cabeça explodindo de dor fui me deitar, acordando em cima da hora para o trabalho no outro dia. Por volta das 11: 30 recebo uma mensagem do Ronaldo.

Ei gatona! Dormiu bem?

Dormir nada! Morrendo de dor de cabeça. Nem sei se vou para academia hoje. Respondi à ele.

Quer ir tomar algo depois do trabalho? Passo ai e te pego de carro.

Pode ser! Saio as 17: 00. Vou te passar a localização pelo whats.

Ok! Combinado. Bom almoço! Beijos gatona.

Bom! Por volta das 16: 45 fui ao banheiro me arrumar, passando um lindo batom vermelho. Neste dia lembro que não fazia muito calor, então eu vestia uma calça legging preta e uma blusinha branca, realçando o meu decote. As 17: 00 bati o ponto e fui direto ao local onde tínhamos combinado. Ronaldo sem atraso me aguardava, então fui bem discreta ao seu carro, para ninguém da empresa me ver. Dentro do carro nos cumprimentamos com um beijo no rosto e seguimos para um barzinho distante do serviço. Ele sempre educado conversava sobre tudo comigo, me deixando bem à vontade com ele. Estar ali no teu carro para um “encontro” era meio que excitante, pois meu marido foi praticamente meu único homem. Chegando no barzinho pedimos uns petiscos e um cerveja, ficando jogando papo fora por horas, sem me importar com nada. Minha dor de cabeça tinha até passado, mas isso já está esperado, não tinha como ficar relaxada perto dele. Com o papo fluindo bem e a cerveja entrando na mente, nós começamos a ficar um pouco alegres e começando a falar uns assuntos mais picantes, tais como fetiches não realizados.

Com o rumo seguindo para um lado mais ousado Ronaldo perguntou; Qual o teu fetiche Mariana?

Meio que sem graça e um pouco tímida respondi; AH! Não só meu né, mas creio que de toda mulher, que é transar com dois homens ao mesmo tempo.

Isso é fácil de realizar! Respondeu ele.

Depois dessa frase ficamos em silêncio e nos beijamos, podendo sentir sua mão grande alisando minhas pernas. Fazia muito tempo que eu não ficava tão excitada com um beijo, e poder sentir isso de novo era o que eu precisava no momento. Ficamos ali mais um pouco e Ronaldo sugeriu irmos para um lugar mais à vontade, porém eu não podia chegar muito tarde, então optamos por ficar em uma rua sem muito movimento atrás do barzinho. Chegando lá nossa pegação começou rápida, com Ronaldo segurando-me pela nuca e me beijando com sua boca carnuda. Eu me rendi ao prazer e sequer lembrava que era casada, querendo apenas curtir o momento, sem pensar no amanhã. Ele sabia deixar um mulher com vontade, sabia atiçar bastante, e como não sou de ferro me rendi, tocando por cima da calça o seu pênis. Sentir ele pela primeira vez foi maravilhoso, ainda mais com ele beijando meu pescoço, dizendo safadezas para me instigar ainda mais.

Chupa ele vai? Eu sei que você quer!

Aquela sensação de dominação me deixou em êxtase, e eu não pensei duas vezes em abrir o zíper para chupá-lo ali mesmo. Ronaldo segurou meu cabelo e sentiu minha boca úmida no seu pau, levando ele a loucura. Lentamente lambia aquela cabeça grande e batia um punheta, olhando para cima mordendo os lábios, cheia de tesão. Meu seios estava duros, e Ronaldo vendo isso começou a massageá-los, deixando minha buceta piscando como nunca. Aos poucos fui aumentando os movimentos e comecei a engolir ele todinho, alisando com minha outra mão as tuas bolas.

Tá gostando safado? Perguntei à ele.

Tô! Não para vai!

Ronaldo delirava, ainda mais quando eu enfiava ele todo na minha boca e encostava ele na minha garganta. Fiquei me deliciando por longos minutos ali, foi quando ele começou a gemer mais alto e que gozaria a qualquer momento. Acelerei a punheta e comecei a provocá-lo com frases provocantes; Vai safado! Goza pra mim. De repente meu celular toca e advinha quem era, isso mesmo, meu marido atrapalhando tudo. Rapidamente parei a punheta e pedir para ele ficar em silêncio.

Oi amor!

Onde você está Mariana? Hoje eu sair mais cedo do trabalho e passei na academia pra te pegar lá, mas não te achei.

Vim no shopping ver uma roupa amor! Já tô chegando!

Tá bom! Vem logo para casa! Tá tarde já, é perigoso você na rua sozinha.

Tá bom! Beijos.

Como ele já tinha acabado com o clima, Ronaldo entendeu a situação e levou me para casa, parando o carro uma quadra antes da minha rua. Nos despedimos com um longo beijo e ficamos de nos falar no outro dia pela manhã. Puta de raiva fui para casa e deparei com meu marido pelado na cama querendo transar, mas claro inventei que não estava muito no clima e fui direto para o banho, onde me toquei pensando no Ronaldo. No outro dia pela manhã ele me mandou mensagem dizendo ;

Você me deixou com tesão! O que eu faço?

Ah! Não sei! Podemos marcar algo semana que vem, pois essa semana é fechamento, vai ser corrido.

Pode ser Mari! Quem sabe podemos terminar o que começamos.

Hummm! Pode ser. Escolhe um lugar bacana que eu vou! Respondi à ele.

Ok gatona! Até mais tarde! Beijos.

Beijos gato!

Neste dia eu trabalhei bastante excitada, imaginando a gente transando gostoso. Durante a semana a gente não se viu, pois estava muito corrido no meu serviço, ficando apenas conversando por Whatsapp, rolando algumas provocações para apimentar nosso lance. Com o dia se aproximando eu resolvi comprar uma lingerie nova no sexshop, escolhendo uma bem sexy e pequena ser cor vermelha. Obviamente eu precisava dar uma satisfação para o meu marido, pois eu não trabalhava os sábados. Para não levantar suspeitas em casa, disse ao meu marido que iria visitar uma amiga do trabalho que estava se divorciando e que não andava bem. Por confiar em mim ele sequer questionou, concordando com tudo. A semana passou voando, chegando o grande dia me encontrar com Ronaldo. Muito ansiosa acordei cedo e tomei café sozinha, pois meu marido ainda dormia. Antes sair de casa eu fiz algumas coisas e depois busquei minha sogra na casa dela a pedido do meu marido, que ficaria cuidando dela um pouco neste dia. Após tudo feito me arrumei lindamente, passando um batom nude e colocando um vestidinho preto que realçava meus seios, junto com minha lingerie nova e sexy. Por volta das 13: 30 da tarde, sair de casa e lhe mandei uma mensagem dizendo;

Tô saindo! Te espero em frente ao terminal de ônibus.

Tudo bem! Respondeu ele.

O trajeto de casa até o terminal é rápido, então não demorei muito a chegar, indo de encontro à ele que já me esperava no outro lado da rua que me esperava no carro. Lá dentro fui recebida com um beijo, seguido de um elogio por parte dele.

Nossa! Você está linda!

Obrigada! Vai me levar onde hein? Perguntei já com olhar de malícia.

Segredo! Respondeu ele sorrindo.

Ronaldo ligou o carro e saiu, levando-me para algum lugar que até o momento eu desconhecia. Enquanto isso ficamos conversando e nos acariciando, iniciando uma tímida provocação ali dentro. Depois de alguns minutos percebi o carro entrando em um motel luxuoso no centro da cidade, acelerando meu coração na mesma hora. Sem falar nada entramos no motel e subimos fomos para o quarto, sendo beijada loucamente dentro do quarto. Estar a sós era o que precisávamos, e claro que Ronaldo sabendo disso resolveu me deixar ainda mais excitada, pedindo para que sentasse na cama e fechasse os olhos, sendo vedada por ele em seguida. Neste momento eu pirei e me entreguei, sentindo sua mão abaixando as alcinhas do meu vestido, revelando meus seios à ele. Completamente excitada me deitei na cama e sentir ele tirando todo meu vestido, enquanto suas mãos alisava meus seios.

Que delícia de peito! Gostosa!

Aiiiinn! Safado!

Ronaldo ouvindo meu gemidos ainda tímidos subiu na cama e me beijou, alisando minha buceta por cima da lingerie, já toda melada com minha excitação. Devagar ele foi me beijando e descendo sua boca por todo o meu corpo, passando a língua no bico do meu peito, que a essa altura estava muito duro. Eu delirava de prazer, ainda mais quando ele abocanhou meus seios e colocou minha lingerie de lado, alisando meu clitóris. Ainda com os olhos vendados ele colocou novamente sentada na cama, guiando minhas mãos até a sua calça, onde pude sentir aquele enorme volume tocando minhas mãos. Segurando meu cabelo ele ficou passando a cabeça do seu pau nos meus lábios, aumentando ainda mais o meu tesão. Sem ver nada eu tentava chupá-lo, sem sucesso, conseguido lamber a cabeça, intercalando com uma sugada. De repente escuto um barulho sem saber o que se tratava, só me dei conta quando já estava sendo algemada por ele, me ordenando que deitasse.

Abre as pernas safada! Hummm que delícia de buceta!

Eu abrir rapidamente e sentir ele tirando minha calcinha, caindo de boca na minha buceta encharcada. Sua boca quente era bom demais, e sua língua pontuda deixava-me em transe total. Eu nunca tinha sido chupada tão gostoso daquele jeito, era surreal o que sentia no momento, parecia estar flutuando nas nuvens. Aquilo estava maravilhoso, porém tudo ficou melhor quando ele tirou minhas vendas e me fez vê-lo totalmente nu com o pau pronto para me fuder.

Vai! Mete logo em mim! Me come! Implorei pra ele.

Ronaldo então colocou minhas pernas no seu ombro e caiu de boca na minha buceta por longos 20 minutos. Nossa! Ele me chupou como um bom macho. De pé novamente ele me olhou e perguntou.

Quer que eu te coma cachorra?

Quero! Me fode logo!

De uma só vez ele empurrou todo seu pênis, arrancando de mim um gemido muito alto. Ronaldo olhava para no meu rosto vermelho e socava sem dó, segurando meu pescoço com uma mão e alisando meus seios com a outra.

Aiiiiinnnn! Isso! Não para! Soca tudo!

Geme cachorra!

Em êxtase eu gritava de tesão, ouvindo o barulho da bombada na minha bucetinha. Meu corpo pegava fogo, e totalmente fora de mim eu pedia mais e mais, mandando ele me fuder sem parar. Toda melada e ofegante eu não tinha forças para ficar de pé, porém mesmo assim Ronaldo me levou até uma cadeira e me fez ficar de 4. Com minha bunda empinada ele parou atrás de mim e segurou minha cintura, dando um tapa bem forte no meu bumbum. Seu pau duro tocava minha buceta que piscavam, e numa estocada só ele penetrou tudo até o talo.

Isso! Soca forte! Mete na tua putinha!

Rebola cachorra! Isso! Não para!

Nossa! Minhas pernas tremiam demais, e sem forças me controle ao máximo. A cada bombada que ele dava, mais eu me ficava a ponto de gozar no seu pau. Até que de repente Ronaldo puxou meus cabelos e aumentou a velocidade, me deixando no ponto, liberando todo meu gozo pela primeira vez no seu pau gostoso. Toda suja eu me ajoelhou no chão e chupei ele com gosto, até ele encher minha boquinha com sua porra quente, onde engolir gota por gota. Depois de quase duas hora e meia no motel fomos embora, onde retornei para casa como se nada tivesse acontecido, beijando meu corninho só me remorso algum.

Bom meninas! Outro dia conto sobre outra aventura que fiz com Ronaldo e um amigo dele. Beijos.

UMA NOITE DE DUPLA PENETRAÇÃO.

Boa noite!

Me chamo Jéssica, divorciada, sem filhos, Sou da Bahia, tenho 27 anos, loira, 1, 65 de altura, 63 quilos, boca bem grande e lábios desenhados, cabelo longos, cintura larga, olhos pretos, seios e bumbum médios, argolinha no nariz e algumas tatuagens pelo corpo.

Pois bem! Trabalho como recepcionista em um sexy shop no centro da minha cidade, e foi por lá que acabei conhecendo Gabriel, um rapaz muito bacana que estou a pouco mais de 2 meses, e também foi com ele que realizei semana passada um fetiche muito louco que eu tinha, espero que gostem.

Bom! Gabriel é um rapaz muito gente boa sabe, sempre muito trabalhador, respeitador e lindo demais. Com teu 1, 72 de altura, 35 anos, branco, olhos cor de mel, cabelo grisalho, barba ruiva e todo fortinho, da cabeça aos pés, realmente um tesão de homem. Apesar do nosso lance estar ficando cada vez mais sério, a gente não consegue se ver durante a semana, pois como eu trabalho o dia todo e ele também mora um pouco longe, acabamos nos encontrando apenas nos finais de semana, quando ele vem dormir na minha casa.

No começo eu achava ele um pouco tímido, mesmo ele sendo mais velho e mais experiente que eu. Tentando deixar ele mais a vontade, fui mostrando o meu lado louca e selvagem, fazendo ele se surpreender em todos os sentidos. A cada final de semana a sós, mas a gente ia criando mais intimidade, tornando tudo mais gostoso e prazeroso com os brinquedinhos que eu trazia do sexy shop onde trabalho. Geralmente Gabriel não pedia nada especial, mas teve um dia que ele pediu pra eu trazer um consolo, pois queria usar ele comigo. Confesso que meu coração acelerou na mesma hora, pois o meu fetiche sempre foi sentir uma dupla penetração bem intensa, e só de imaginar isso, minha bucetinha ficou toda melada. Ansiosa por aquele dia eu me arrumei toda gostosa, com uma bela lingerie vermelha e bem pequenininha, deixando a noite muita mais quente. Por volta das 21: 00 Gabriel chegou na minha residência e eu lhe recebi somente de lingerie, completamente excitada e louca para transar com ele, pois já estava sem sexo por 1 semana. Com olhar de tarada lhe dei um beijo e o levei para o quarto, onde transamos loucamente, tirando a seca da semana e também sentindo pela primeira vez 2 “paus” dentro de mim, mesmo sendo 1 de plástico. Ele não sabia dessa minha tara até aquele dia, então bem sutilmente soltei a possibilidade de poder sentir dois homens dentro de mim. Gabriel sem dar muita bola fez uma cara de espanto e mudou de assunto, me deixando ainda mais atiçada para tentar convencê-lo a realizar este meu fetiche. Passado alguns meses, e eu Gabriel estávamos conversando algumas safadezas pelo whats, foi então que ele me surpreendeu e me fez a seguinte pergunta;

Você realmente teria coragem de ser fudida por mim e outra pessoa ao mesmo tempo?

Claro meu bem! Meu sonho! Respondi à ele.

Eu até topo! Mas tem que ser o Paulo.

Por mim tudo bem! Desde que ele foda bem também.

Ok! Vou pensar mais um pouco e talvez eu faça a proposta para ele.

Paulo é amigo do Gabriel. Um moreno muito lindo também, nem muito alto e nem muito baixo sabe, barbudo, olhos pretos, com várias tatuagens no corpo, dentre elas uma no pescoço, que o deixa com uma cara de safado. Eu sempre achei ele uma delícia, então com certeza aceitaria ele comigo na cama. Depois de alguns dias Gabriel fez a proposta e ele aceitou claro. Para que não fosse nada tão “forçado” Gabriel resolveu marcar uma festa em sua casa, chamando Paulo e alguns amigos em comuns.

Bom! Por volta das 15: 00 horas eu me arrumei para ir a festa, colocando uma vestido curto sem calcinha e um sutiã preto que realçava meus seios. Não demorei muito para chegar na festa, dando de cara com Paulo e Gabriel conversando de canto. Um tanto sem graça me aproximei e beijei Gabriel, dando um sorriso sem graça e malicioso para Paulo. Para descontrair um pouco resolvi ir buscar uma cerveja, deixando os meninos conversando um pouco. De longe enquanto eu pegava a bebida, notei os dois me olhando e cochichando, me fazendo pensar o que eles estava falando sobre mim. Será que estavam combinando algo, será que Gabriel desistiria, várias perguntas passavam na minha mente, mas o meu desejo de ter os dois na cama falavam mais alto.

Após pegar a bebida voltei para a festa e fiquei conversando com os meninos e também com outros amigos nossos, tentando não pensar muito no que aconteceria mais tarde. As horas foram passando e todo mundo foi ficando um tanto alegre, curtindo a festa até tarde. Com a noite se aproximando, a galera já exaustas e bêbadas começaram a ir embora, deixando por fim somente nós 3 na casa. Gabriel e Paulo estavam muito à vontade, e claro que isso me fez relaxar um pouco mais. Com o sereno da noite caindo, resolvemos entrar e ficamos batendo papo no sofá da sala, totalmente descontraídos, como se não estivéssemos ali loucos para transar. Aos poucos Paulo foi tomando iniciativa e foi entrando no assunto.

Então você é louca para sentir dois homens dentro de você Jéssica?

Surpresa olhei para Gabriel que sorria com a pergunta e respondi.

Claro Paulo! Minha tara isso! Não vejo a hora disso acontecer.

Gabriel mais próximo de mim colocou a mão na minha perna e alisou minha coxa, olhando para Paulo dizendo;

Ela é insaciável brother! Vai dar canseira em nós.

Isso é bom! Respondeu Paulo.

Totalmente sem graça fiquei toda vermelha, caindo na gargalhada de nervosa. Mesmo excitada eu estava um pouco tensa, ao contrário de Gabriel que aparentava estar muito tranquilo com toda a situação. Notando minha tensão Gabriel puxou meu rosto para a tua boca e me beijou lentamente, olhando em seguida para Paulo e fazendo a seguinte pergunta.

Que tal a gente dar um banho nela Paulo?

Só se for agora! Vou adorar.

Sem dizer nada Gabriel levantou e me puxou pela mão, guiando-me até o banheiro junto com Paulo. Totalmente excitada eu tirei meu vestidinho e fiquei pelada, sendo devorada no olhar por Paulo e Gabriel. Os bicos dos meus seios estavam duríssimos de tanto tesão, ainda mais vendo os meninos com o volume nas calças. Louca para ser fudida bem gostoso, olhei para ele e perguntei;

Vão ficar só olhando? Vamos! Tirem a roupa, quero ver vocês peladinhos.

Gabriel e Paulo começaram a tirar a roupa, revelando seus paus completamente duro para mim. Com cara de safada entrei no boxe do banheiro e liguei o chuveiro, observando os dois vindo junto a mim. Gabriel estava bem a vontade, e foi ele que primeiro veio ao meu encontro e me encostou na parede, enfiando seu dedo no meu grelinho, enquanto Paulo beijava minha boca. Enquanto a água caia em nossos corpos, eles dois me devoravam intensamente, fazendo com que eu entrasse em êxtase. Completamente fora de si, Gabriel encostou na parede e me mandou chupar o seu delicioso pau. Na mesma hora obedeci e caí de boca naquele pau gostoso, empinando meu bumbum para o Paulo, que não pensou 2 vezes e meteu sua língua na entrada da minha bucetinha.

Nossa! Que delícia a bucetinha dela Gabriel.

Chupa essa safada Paulo! Ela adora.

A sensação de chupar e ser chupada era bom demais, ainda mais com Paulo intercalando sua língua com algumas leves dedadas. Eu mal conseguia gemer com o pau na boca, mas a sensação era maravilhosa, nunca tinha tido aquela sensação. Literalmente molhada, Gabriel tirou o pau da minha boca e desligou o chuveiro, deixando Paulo chupando um pouco mais

Isso! Empinada esse rabo para ele te chupar safada!

Depois de alguns minutos, Paulo se levanta e dá um tapa na minha bunda, olhando para o Gabriel e dizendo;

Que tal levarmos essa cachorra pro quarto? Tô louco pra comer ela.

Vamos! Eu também estou.

Já no quarto e deitada na cama, Gabriel se ajoelhou próximo ao meu rosto e enfiou novamente seu pau na minha boca. Paulo de pé na beirada da cama, pegou uma camisinha e começou a colocar no seu pau duro, me levando a loucura. Não demorou muito para eu sentir ele esfregando a cabecinha no meu grelinho, fazendo minha bucetinha piscar como nunca.

Que buceta gostosa! Exclamou Paulo.

Com a boca ocupada e a respiração ofegante, notei ele colocando minhas pernas em seu ombro, empurrando tua rola grossa para dentro da minha bucetinha apertada e melada, arrancando de mim e um leve gemido.

Ainnnn.

Isso! Geme cachorra!

Paulo começou fazendo leves movimentos, segurando minhas pernas em seu ombro, indo e voltando devagar, me deixando ainda mais molhada. De vez em quando ele parava na entradinha e socava até o talo, repetindo esse movimento várias vezes. Eu pegava fogo, meu corpo flutuava, como se estivesse em transe. Paulo percebendo minha excitação começou a aumentar os movimentos, metendo seu pau com força na minha bucetinha. A cada metida, mas Gabriel se excitava, pois sentia seu pau pulsando na minha boca cada vez mais.

Que bucetinha gostosa! Imagina o cuzinho Gabriel.

Ela ama dar o cuzinho Paulo. Quer comer?

Quero! Amo um cuzinho.

De repente Gabriel tira seu pau da minha boca e se deita na cama, mandando eu sentar em seu pau. Como uma boa safada eu obedeci e sentei gostoso, cavalgando gostoso nele. Paulo rapidamente subiu na cama e ficou de pé, me fazendo chupá-lo frenéticamente. Eu estava toda melada sentindo o pau quente do Gabriel, aproveitando cada segundo da nossa transa. Paulo delirava e empurrava tudinho até o talo, encostando a cabecinha na minha garganta. Gabriel vendo meu delírio batia na minha bunda e alisava a entrada do meu cuzinho, dizendo coisas do tipo;

Que delícia de bunda! Quer que o Paulo coma seu cuzinho safada?

Com a boca ocupada eu apenas balancei a cabeça em sinal de sim, dando sinal para que Paulo realizasse meu fetiche de sentir 2 paus dentro de mim. Sem falar nada parei de chupá-lo, com quem dizia, vem, fode meu bumbum. Lógico que ele entendeu o sinal e foi logo para trás de mim, enfiando e alisando o meu cuzinho com seu dedo. Com o pau do Gabriel na minha bucetinha e com meus seios em sua boca, me empinei todinha, sentindo ele abrindo meu cuzinho para o Paulo comer. Paulo então enfiou primeiro o dedinho e depois começou a enfiar a cabecinha devagar, me fazendo gemer e a dizer muita putaria.

Vai cachorro! Fode meu cuzinho!

Sem muita cerimônia Paulo foi forçando para dentro até entrar tudo, e estar com duas rolas dentro de mim foi a sensação mais maravilhosa. Gabriel socava na buceta e o Paulo no cuzinho, me fazendo a mulher mais feliz do mundo.

Isso putinha! Geme pra gente! Dizia Gabriel.

Aiinnn! Que tesão! Me foda sem dó seus putos.

A cada socada no meu cuzinho, mas eu gemia e suava de prazer, entrando num estado de transe eterno. Paulo e Gabriel ficaram me fodendo juntos por uns 20 minutos, e quando os dois resolveram gozar, eu me ajoelhei na cama e mandei eles gozarem tudinho na minha boquinha, engolindo cada gota do leitinho deles, me tornando a mulher mais feliz do mundo.

Bom! Essa foi um dos meu fetiches que realizei, quem sabe outro dia conto outros. Beijos meninas.

NO ESTACIONAMENTO DA FACULDADE

Boa noite!

Me chamo Melissa, tenho 20 anos, loira, cabelo na altura dos ombros, olhos cor de mel, 1, 50 de altura, 58 quilos, seios pequenos, boca bem grande e desenhada, cintura larga, e pra salvar a falta de peito, Deus me deu uma bunda grande.
Bom! Hoje irei contar sobre o dia em que eu e meu namorado resolvemos transar no estacionamento da faculdade, espero que gostem.

Conheci meu namorado Carlos na faculdade de gastronomia, um rapaz bem alto sabe, 1, 78 de altura, careca, barba por fazer, um olho verde que eu me apoixonei logo de cara, boca carnuda, muito educado e simpático. Nosso lance demorou um pouco para acontecer, pois eu sempre fui muito tímida e não saia para os barzinhos com a galera depois das aulas de sexta-feira. O tempo foi passando e eu fui criando amizade com a turma, até que um dia depois de muita insistência eu fui para o barzinho com eles, e foi lá que conheci meu Carlos. Logo de cara ele se sentou ao meu lado e puxou assunto, me oferecendo uma cerveja. Como eu não bebo recusei, porém peguei um refrigerante e um lanche para comer, onde ficando conversando com ele por horas. Por volta das 22: 00 hrs eu resolvi ir embora e me despedi da galera, pois ainda tinha que pegar um ônibus e não queria chegar tarde em casa. Rapidamente ele me ofereceu um carona e eu aceitei, pois ele tinha sido bacana comigo, então não teria problema de ele me levar embora pra casa. Nos despedimos do restante da galera e fomos pro estacionamento pegar o teu carro, onde seguimos direto para a minha casa conversando bastante durante o trajeto.

Chegando em minha residência eu me despedi de Carlos e antes que eu descesse do carro ele pediu meu Whatsapp, e a partir deste dia a gente começou a sair frequentemente, até ele me pedir em namoro. Tudo foi muito rápido e intenso, rolando naturalmente com muita química e tesão, onde ele acabou sendo meu primeiro homem na cama até o momento. Passados 6 meses de namoro nosso tesão só aumentava, e com ele nossos fetiches de lugares inusitados, realizando várias loucuras, dentre eles no estacionamento da faculdade. Era mais um dia de aula, e por estar muito calor no dia, resolvi usar um vestido florido soltinho e uma calcinha rosa fio dental por baixo, que por sinal meu foi namorado que deu. Como era sexta-feira, a galera decidiu ir para um barzinho tomar umas, mas nós não estávamos muito afim de bagunça, queríamos ficar namorando em casa mesmo. Já no estacionamento e dentro do carro ele ficou me instigando, passando a mão na minha perna com uma cara de tarado, dizendo que eu estava muito gostosa e pedindo para que eu chupasse ele ali mesmo.

Tá doido? Respondi.

Pessoal já foi embora! O vidro é escuro amor.

Aquela carinha de tarado me excitou muito, então eu me inclinei no banco e fui direto para o zíper da tua calça, abrindo e enfiando a mão na sua cueca, sentindo seu pau extremamente duro. Meu namorado louco de prazer, abaixou a calça junto com sua cueca e, segurando meu cabelo foi guiando minha boca até a cabeça do seu pau rosado. De imediato eu fui passando a língua de baixo para cima bem rápido, enquanto ele gemia e dizia;

Aiii que delícia! Isso! Ahhh.

Como sou sou viciada em sexo oral, chupá-lo ali escondido era bom demais, tipo um misto de perigo e prazer ao mesmo tempo. Aos poucos fui enfiando seu pau em minha boca, intercalando com um bela punheta rápida, louca para que ele gozasse na minha boca. Achando que seria apenas um sexo oral eu caprichei na chupada, mas meu namorado não satisfeito resolveu me levar para o banco de trás , fazendo-me morrer de medo.

Melhor não amor! Vai que alguém chega aqui, retruquei à ele.

Não vai não! Relaxa!

Já no banco de trás ele me colocou sentada em seu colo, levantou meu vestido, afastou minha calcinha de lado e enfiou seu pau na minha buceta melada. Meu seios duros denunciavam a minha excitação, enquanto seu pau deslizava dentro de mim ele mordia os bicos bem devagar, me arrepiando toda. Eu cavalgava e gemia sem parar, e aquele medo de ser pega já não era minha preocupação no momento, querendo apenas sentir ele me fudendo. Ficamos alguns minutos transando naquela posição, até que em um certo momento me levantei do seu colo e fiquei de 4 ali no carro, claro que com um pouco de dificuldades, mas fiquei. Meu namorado com o seu pau grosso se posicionou atrás de mim e me penetrou firmemente, segurando meus cabelos com força e batendo bem forte na minha bunda, enquanto eu delirava de prazer e falava baixinho.

Isso! Me fode! Ainnnnnnn.

Eu já estava toda suada e toda ardida, quase perdendo as forças nas pernas. Meu namorado também suava e urrava demais, me chamando de putinha, mandando eu rebolar bem gostoso pra ele. Submissa eu obedeci, rebolando e mandando ele socar forte, pedindo para ele encher minha bucetinha de porra. Depois de dizer isso eu sentir teu pau pulsando como nunca dentro de mim, soltando rapidamente todo aquele gozo gostoso guardado só para mim. Extremamente exaustos caímos e nos abraçamos por alguns minutos ali no banco, pouco ligando se alguém iria nos ver nus.

Bom! Essa foi uma de nossas transas loucas. Quem sabe outro dia conto mais. Beijos.

SURUBA DA IRMÃZINHA

Bom dia! Me chamo Fábio, tenho 25 anos e o que venho desabafar aqui aconteceu semana passada, e toda essa história conto agora.
Eu tenho uma irmã de 18 anos chamada Gabriela, um menina muito linda sabe, ruiva, cabelo curtinho, olhos castanhos e magrinha, pois é adepta a corrida de rua

Bom! Vamos lá!

Fim de semana passado fiz um churrasco em casa, pois onde moramos tem um enorme quintal com piscina e uma churrasqueira, e como meus pais tinham ido viajar, a galera agitou uma festa em minha casa.
Neste dia lembro que vieram amigos nossos em comum, lotando nossa casa.
Pois bem! Lembro que neste dia fiquei na piscina tomando umas cervejas com a galera, até que depois de umas 3 horas de muito cachaça na mente, eu e uma amiga da minha irmã resolvemos subir para o meu quarto. Ao passarmos pelo corredor que da acesso aos quartos, escutamos um barulho estranho vindo do quarto de Gabriela. Rapidamente corremos e nos aproximamos da porta, onde presenciamos a minha irmã fazendo uma orgia. Na mesma hora meu sangue ferveu de raiva, louco para invadir aquele quarto. Por incrível que pareça, eu ainda achava que ela não tinha tido uma relação sexual, mas para vocês terem uma idéia, Gabriela estava chupando dois ao mesmo tempo, intercalando tua boca entre uma rola e outra.
Eu sei que eu deveria ter interrompido aquilo, mas fui seguro pela amiga dela.
Do lado de fora observei quando um deles a jogou na cama e a fez sentar em seu pau, enquanto o outro batia punheta vendo a cena.
Como uma cachorra no cio ela pulava em seu colo, enquanto seus seios eram sugaria loucamente.
Incansável minha irmã gemia e dizia; Aiiinn que delícia! Isso! Chupa bem gostoso!
Cansado de ficar só vendo, o outro rapaz resolveu participar da brincadeira, subindo na cama e se posicionando por de trás dela, ajudando seu amigo a bombar a bucetinha dela bem forte.
Gemendo como louca ela implorava; Isso! Soca com força! Não para! Aiiiiiiinnnn!
Ouvindo seu pedido, o rapaz que estava atrás dela começou a alisar a entrada do seu cuzinho.
Gabriela excitadíssima olhou para trás e disse; Come meu cuzinho!
Do lado de fora do quarto acreditava não que via, e sua amiga ao meu lado em êxtase dizia; Nossa! Que delícia! Tô com inveja dela.
Olhei para ela bravo e falei baixinho; fala isso por que não é você!
Sem graça com a minha resposta ela respondeu; sempre tem a primeira vez.
Bom! Voltei meus olhos para dentro do quarto e vi quando minha irmã inclinou seu corpo, sentindo seu cuzinho sendo pincelado.
O rapaz louco de tesão não teve dó, socando de uma vez sua rola no cuzinho dela e dizendo;

Toma vadia! Geme pra mim sua puta!

Aiiin! Soca sem dó vai! Fode meu cú!

Passado quase 25 minutos de muito sexo, os dois rapazes não aguentaram o tesão e gozaram na sua bucetinha e no cuzinho, fazendo com que Gabriela caísse na cama exausta e toda melada.

Bom! Agora não sei como agir, pois toda vez que vejo minha irmã lembro daquela cena.